Projeto de Alfabetização é introduzido na Praia de Pirangi para pescadores

Não há saber mais ou menos: há saberes diferenciados!” Paulo Freire

As aulas do Projeto Tarralfas – Vivências de Educação Freireana, patrocinado pelo Outback, que visa promover a alfabetização de um grupo de trinta pescadores da Praia de Pirangi do Sul já iniciaram. A iniciativa está sendo executada por meio do método de educação do pedagogo Paulo Freire, que utiliza uma metodologia de educação popular com elementos que fazem parte da realidade, cultura e trajetória de vida dos alfabetizandos. A proposta é um projeto de extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte – IFRN e se tornará um documentário com os registros feitos durante o processo.

As aulas já estão acontecendo todas as segundas-feiras, das 8h às 11h, na Marina da Praia de Pirangi do Sul e, de acordo com o professor doutor em Educação, José Mateus do Nascimento, um dos responsáveis pelo projeto, a interação tem sido muito dialógica. “Já tivemos três encontros com vivências multiculturais como: cantoria de viola, degustação de pirão de peixe, momentos marcados pela história de vida e dos nomes próprios dos pescadores. A partir da escrita dos nomes cada qual foi contando sua história, de como tornou-se pescador. O último encontro ocorreu em torno da escrita de nomes de peixes e da fala dos pescadores sobre a cultura da pesca de cada peixe. E foi de uma riqueza de troca cultural extraordinária! Enquanto que os alfabetizadores ensinavam a escreve os nomes dos peixes, aprendiam sobre a cultura de como pescá-los”.

A ideia do Projeto Tarralfas surgiu após o 2º Sargento da Marinha do Brasil, Roberto César da Rocha, servir na Capitania dos Portos/RN e acompanhar a dificuldade que os pescadores de Pirangi do Sul tinham em obter a habilitação exigida para o exercício da pesca com segurança. “O grande desafio para eles é a aprovação em um exame escrito para obtenção do documento que os habilita a conduzir as embarcações, pois a grande maioria deles não sabem ler ou escrever”. Ao constatar essa realidade, o sargento buscou apoio para iniciar um trabalho de alfabetização voltado para os pescadores, a ideia conquistou simpatizantes e está se tornando realidade com o apoio do Grupo Escoteiro do Mar Artifícies – GEMAN/IFRN-CNAT, do Outback Steakhouse, do Grupo Eureka e voluntários de diferentes formações. Assim surgiu o Projeto Tarralfas, uma proposta piloto que poderá ser ampliada para outras comunidades que necessitem de formação humana na perspectiva da educação popular.

Além de apoiar o projeto, o Outback está presente ativamente na ação com a participação do sócio-proprietário, Gilnei Nocito, como agente alfabetizador. “O Outback tem como lema apoiar projetos junto às comunidades locais através de ações que venham de alguma forma contribuir com o crescimento dos envolvidos e o sucesso das ações por ele apoiadas. Mas desta vez queria algo além de ser apenas o patrocinador, queria estar inserido no projeto como um todo e participar mais efetivamente dessa brilhante experiência que será vivenciar cada passo até o nosso objetivo final que é alfabetizá-los com perspectivas de um futuro melhor”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *