Massacre: para especialistas, caos no sistema penitenciário é regra em todo o país

Informações: Folha de São Paulo
Informações: Folha de São Paulo

Superlotação, condições precárias de instalações e domínio do local por facções criminosas, o que gerava “um contexto de fortes disputas e tensionamentos”. Relatório de janeiro de 2016 do Comitê de Prevenção e Combate à Tortura, que visitou o Complexo Penitenciário Anísio Jobim, já apontava o caos onde nesta segunda (2) 56 presos foram assassinados.

Segundo especialistas ouvidos pela Folha, essa matança em Manaus (AM) é uma tragédia anunciada. E essa conjuntura não é exclusividade do Estado. Pelo contrário, é quase regra nacional.

“Nos últimos cinco anos, a população carcerária cresceu de maneira absurda [são mais de 600 mil pessoas] a partir de prisões provisórias, via de regra por crime de tráfico”, aponta o sociólogo Arthur Trindade, ex-secretário da Segurança Pública do DF.

A prisão provisória é aquela em que o sujeito vai preso antes de ser julgado, em geral a partir de um flagrante policial, isto é, quando é preso no ato do delito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *