Confirmação de pane seca barraria pagamento de seguro para famílias

Informações: Folha de São Paulo
Informações: Folha de São Paulo

Se confirmada a informação de que houve pane seca no voo da LaMia que transportava a Chapecoense para Medellín, os familiares das vítimas não deverão receber indenização proveniente do seguro da companhia aérea.

A apólice contratada pela empresa boliviana tem duas cláusulas chamadas de exclusão, que eximiriam pagamento da cobertura em caso de negligência ou omissão do operador -neste caso, o piloto Miguel Quiroga, o que pode ficar configurado com a abertura das caixas pretas.

A provável influência da falta de combustível foi reforçada por autoridades do setor aéreo da Colômbia, para quem já é possível afirmar “claramente” que o tanque do avião estava vazio no momento do impacto no chão.

A classificação se daria porque, a partir dos primeiros indícios, Quiroga teria corrido riscos ao decidir não fazer escala para reabastecer ou por ter comunicado tardiamente a gravidade da situação à torre de controle.

Só será possível saber as causas definitivas do acidente após investigações que podem demorar meses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *