Robinson Faria fala de potencialidades do RN a principais empresários do país

Foto: Assessoria
Foto: Assessoria

O governador Robinson Faria participou, na tarde deste domingo, 19, de um painel dentro do Fórum de Comandatuba (BA) que abordou medidas para combater a crise institucional e política no Brasil. Na ocasião, o líder do executivo estadual do Rio Grande do Norte enumerou alguns pontos relevantes sobre o tema, entre os quais está a reformulação do pacto federativo, o que propiciaria mais autonomia a estados e municípios.

Diante de uma plateia que reuniu os principais líderes empresariais brasileiros, Robinson destacou as potencialidades do Rio Grande do Norte para a atração de novos investimentos. Ele citou o novo aeroporto internacional intermodal, em São Gonçalo do Amarante, como um dos diferenciais potiguares e convidou o empresariado a conhecer o estado e as condições oferecidas para a instalação de novas empresas.

Dirigindo-se ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, presente à mesa, Robinson Faria fez um apelo para que a reforma política repense o modelo administrativo federal, reconhecendo a necessidade de um novo pacto na federação que permita o maior protagonismo dos estados.

“Essa situação que concentra poderes no Governo Federal precisa ser repensada. São nos estados que os empregos são criados, é neles que começa o desenvolvimento”, destacou o governador. “Faço um apelo para que este assunto entre na pauta no Congresso”, disse.

Entres outros líderes políticos, também participou do painel ao lado de Robinson Faria o senador Renan Calheiros, presidente do Congresso Nacional.

Leia Mais

Atos da Rosa: Decretos da ex-governadora Rosalba Ciarlini serão investigados

Informações: Tribuna do Norte
Informações: Tribuna do Norte

O promotor de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, Paulo Batista Lopes Neto, instaurou, através da Portaria nº 115/2015 Inquérito Civil para apurar atos administrativos da ex-governadora Rosalba Ciarlini em pelo meno um do seu mandato – 2013. O documento, publicado na edição deste sábado do Diário Oficial do Estado, sob a numeração Inquérito Civil nº 109/2015, é consequência da Notícia de Fato nº 091/2015.

Serão investigadas “a abertura de créditos adicionais especiais e suplementares, pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, sem autorização legislativa e acima do limite legal permitido, referente ao exercício de 2013”. O promotor Paulo Batista Lopes Neto fundamentou-se no Artigo 37, da Constituição Federal, para abrir o referenciado inquérito. O artigo diz que “a administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência”.

As diligências inciais do procedimento incluem o encaminhamento de ofício à Secretaria de Estado do Planejamento e das Finanças (Seplan). A pasta deverá encaminhar, à Coordenadoria de Apoio Operacional das Promotorias de Defesa do Patrimônio Público (Caop Patrimônio Público) cópias dos decretos expedidos ao longo do ano de 2013 que autorizaram a abertura de créditos adicionais suplementares e especiais no exercício financeiro do referido ano.

Leia Mais

Fora Dilma é estratégia contra Lula, diz Amaral

Foto: Assessoria
Foto: Assessoria

Ex-ministro e ex-presidente nacional do PSB, Roberto Amaral considera que a estratégia de destruição do PT levada a cabo pela oposição tem como objetivo maior barrar uma nova candidatura de ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2018. “É uma tolice discutir se era elite branca ou só elite. Existe descontentamento, e a utilização desse descontentamento tem um fim, que é impedir uma eventual candidatura do Lula em 2018”, avalia Amaral, em entrevista ao Estado.

“Para atingir o Lula, é fundamental destruir o PT. O problema grave, do meu ponto de vista, é que a destruição do PT está levando consigo a destruição de forças progressistas e do campo da esquerda, que estão sendo envolvidas no mesmo balaio”, adverte.

Voz dissidente no PSB ao apoio ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), Amaral iniciou a articulação de uma frente nacional popular, que reúne intelectuais, movimentos sociais, políticos com ou sem mandato e empresários para enfrentar a “falência da reflexão da esquerda”. “A esquerda deixou de refletir, de ter estratégia, de ter projeto. Eu não sei hoje qual o projeto da esquerda brasileira.”

Leia Mais

Marina Silva: Impeachment é uma aventura sem base legal

Informações: 24/7
Informações: 24/7

“Não se pode enveredar por uma aventura”. Essa é a opinião da ex-ministra do Meio Ambiente e líder da Rede Sustentabilidade Marina Silva sobre a ideia de impeachment da presidente DIlma Rousseff (PT) levada a cabo pelo presidente nacional do PSDB e senador por Minas Gerais Aécio Neves. Para a ex-líder seringueira, que concedeu longa entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada neste domingo, a proposta de impedimento não pode passar por cima da materialidade dos fatos.

Sem base material, diz Marina, não motivos para o impeachment: “Porque responsabilidade política não significa responsabilidade material, em que você tem uma acusação peremptória de envolvimento direto. Não devemos ir pelo caminho de instrumentalizar a crise. Neste momento, é preciso muita responsabilidade com o País.”

A ex-candidata presidencial acha correto que setores da oposição se movam com responsabilidade no debate do impeachment, a exemplo do PSB (sigla que cedeu-lhe a legenda para a disputa de 2014), que afasta a ideia. Para ela, no entanto, só isso não basta. “Na prática, você já tem quase uma cassação branca de um governo que acaba de ser eleito”, diz, ao dizer que economia está nas mãos do Levy (Joaquim, ministro da Fazenda) e a política está nas mãos do PMDB.

Leia Mais