Especial Mobilidade: “Se a lei ficar do jeito que Carlos Eduardo mandou, é a Seturn que vai se beneficiar”, diz presidente do Sintoparn

IMG-20150326-WA0022

Em discussão na Câmara dos Vereadores, o projeto de Lei Nº 04/2014 pode mudar a dinâmica do transporte público em Natal. O presidente do Sintoparn, José Neto, conversou com o blog e atualizou o andamento da lei na Câmara: “Se a lei ficar do jeito que Carlos Eduardo mandou, é a Seturn que vai se beneficiar”. Confira a entrevista especial sobre mobilidade.

Márlio Forte – Quais as últimas novidades do projeto de lei da licitação do transporte público?

José Neto – A informação que temos é que a votação terá continuidade. Terça-feira passada foi votado o artigo 39, que proibia os movimentos sociais o direito de fazer manifestação, acabou sendo retirado esse artigo em comum acordo. A câmara convocou os vereadores para segunda-feira pela manhã dar continuidade na votação.

MF – Quando será a votação final?

JN – Vai ser votado artigo por artigo. Um artigo já foi. Informalmente já sabemos que passam de 150 o número de emendas. É muita emenda. Nossa expectativa é que essas emendas melhorem o projeto.

MF – Como o senhor ver a pressa do prefeito Carlos Eduardo em aprovar essa lei?

JN – Eu vejo três situações: Os vereadores querem tirar esse pepino da casa, mas não abriu um diálogo com a sociedade . Tem muitas emendas, mas não teve um diálogo com a população. Segundo, Carlos Eduardo quer pegar o projeto e tentar se reeleger em cima disso, resolvendo o problema da mobilidade. A licitação pode ser colocada em prática até dois anos após a publicação da lei, sendo que ele possa nem ser mais o prefeito. Sentimos que tem outros setores que ficam usando isso como palanque. Temos que manter um diálogo franco com a população para que, de fato, saia uma lei que em vinte anos mude nossa mobilidade.

MF – Na opinião do Sintoparn, quem vai ser beneficiado com essa lei?

JN – Na minha opinião, se a lei ficar do jeito que Carlos Eduardo mandou, é a Seturn que vai se beneficiar. Os empresários nem questionaram a lei nas audiências públicas. Entendemos que vai ficar as mesmas empresas em Natal.

MF – Isso é bom para as pessoas?

JN – Não é bom. Espero e acredito que a Câmara possa melhorar esse projeto. Exemplo: deve começar a ter em Natal os ônibus com piso baixo. O projeto original não fala sobre isso, mas teve vereador que apresentou isso. Se passar, já é um avanço.Tem uma população que está envelhecendo e são coisas como essa que esperamos de melhoria no projeto de lei.

MF – Qual recado você manda para o prefeito?

JN – O país está mudando e a cortina dele vai cair também.

MF – Por quê?

JN – Ele administra a cidade em cima de máscaras. Veja que os postos de saúde. Ele fala das Upas, mas a porta de entrada dos doentes são os postos de saúde. Confira como eles estão uma hora a população vai perceber.

MF – Como ele faz isso?

JN – Ele maquia muito bem e a cortina que falo é o sobrenome dele que está muito enraizado em nossa cidade e no Estado. Para onde você for tem alguém que  depende ou dependeu da família dele. Essa que é a verdade. Vou mostrar um exemplo: Micarla de Souza com toda as críticas que teve em relação a ela botou um cartão que você descia e podia pegar qualquer ônibus em qualquer parada dentro de uma hora. Os empresários foram tirando, Carlos Eduardo não enfrentou e não deu satisfação. Ele foi e colocou duas estações de transferência que custou R$ 1,2 milhões de reais e ninguém quer ficar lá trancado uma hora para ser atendido por duas ou três linhas. Isso é cortina e ninguém diz nada.

MF – O que poderia ser feito nesse sentido?

JN – O cartão é quase mágico, ele resolve todas essas situações de mudança de ônibus. A passagem poderia ter até valores diferentes e o cartão resolveria isso. Veja em São Paulo, a maior cidade da América Latina, os terminais são apenas pontos de referência para pegar os ônibus. Não tem catracas e nem restrições. Natal em vez de andar para frente, vai para trás,e a licitação do jeito que o prefeito mandou serve apenas para oficializar as coisas do jeito que estão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *